Revista Vírus | A(s condições para a ) revolução se cria(m)Revista Vírus
39619
post-template-default,single,single-post,postid-39619,single-format-standard,ajax_leftright,page_not_loaded,,qode-theme-ver-9.4.2,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

A(s condições para a ) revolução se cria(m)

A(s condições para a ) revolução se cria(m)

Por coffebreak

Não se espera condições de revolução: se cria. Isso não quer dizer que é do dia para noite. Isso não quer dizer que é simples.

O trabalho de base é árduo, difícil. Muitas vezes podem parecer mínimas as chances de conseguir contaminar mais pessoas; aliado à isso, a própria rotina de sobrevivência, de ter que ser explorada e explorado, de sofrer nas engrenagens desse sistema provoca dor e desgaste bem maiores que os do esforço militante.

Para tanto, as táticas que são usadas como nossa resposta às explorações têm que estar afinadas, tanto com teoria, tanto com a materialidade, quando com as possibilidades. Tática meramente simbólica não tem muito efeito significativo.

O ‘porquê’ de críticas se faz necessário para esses casos. Não é somente crítica pela crítica. Não é para se reduzir ao debate de “e o que você ou sua organização faz?”. Trata-se de compreender que há percursos mais efetivos. Trata-se de aprendizado na prática. E sobre ações, há coisas que nem precisam ser ditas e que geram muito mais frutos para sublevação desse modo de vida.

Sejamos sinceras e sinceros conosco, saibamos reconhecer limites, medos e maneiras de inversão desse medo em combustível, para continuar lutando. Saibamos nos localizar em métodos que dão conta de instigar e fazer mais fissuras de forma efetiva na estrutura e que darão conta de colocar o poder popular a frente de seu próprio caminho.

Comente com o Facebook
Tags:
No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.